© 2019 por Glaucia Kraide

  • Facebook
  • Instagram ícone social

Orientação Parental

Normalmente os pais tentam agir baseados na educação que receberam, aquela que tem como modelo. Fazem o que foi aprendido com os pais, e ai começa um desafio pois existe como base duas famílias diferentes: de um lado a família da mãe, de outro a família do pai..

Algumas vezes repetindo padrões que já são conhecidos. Outras vezes, optamos por distanciar totalmente do modelo dos pais que tiveram, agindo de forma a não fazer com o filho o que os pais fizeram.

É a partir dessas escolhas que muitas famílias se perdem. Acabam não estabelecendo um modelo parental efetivo, que consiga promover um ambiente seguro, estimulador e, ao mesmo tempo, divertido para a criança.

Quando paramos para pensar, são tantas as situações difíceis na rotina que nem entendemos de onde saiu aquele comportamento.

Nesse contexto é que nascem os “conflitos familiares”, e as dúvidas sobre como impor limites, como colocar regras novas, como estabelecer uma boa rotina, ensinar os valores familiares entre outras.

Para sanar a estas dúvidas é que existe o processo de Orientação Parental. Este processo acontece de forma cuidadosa, empática e terapêutica.

Junto ao psicólogo, os pais sentam para recalcular a “rota dos caminhos” que foram escolhidos até aquele momento, mas que não estão alcançando os objetivos esperados.