© 2019 por Glaucia Kraide

  • Facebook
  • Instagram ícone social

Ludoterapia

Não é raro que uma criança não consiga falar sobre seus problemas; é preciso entender que, na maioria dos casos, ela nem é capaz de entender que está sofrendo. E quanto menor a idade, mais difícil é o processo de verbalização.

Através do lúdico, a criança consegue expressar melhor suas dificuldades e conflitos. Histórias, desenhos, modelagem, brincar com bonecos, colagens, pintura, brincar de casinha são apenas alguns dos recursos utilizados. A criança brinca e representa a situação que provoca sua angústia, de forma muito transparente.

E, através da observação, o psicólogo é capaz de entender o mundo desta criança, compreender traços de sua personalidade que são fundamentais para possibilitar uma melhor integração e adaptação desta criança no seu meio familiar e social.

As informações trabalhadas em consultório são complementadas com outras trazidas pelos responsáveis ou demais profissionais envolvidos no caso.

Para quem a ludoterapia é indicada?

A abordagem normalmente é utilizada com crianças entre 3 a 12 anos, sendo na maioria dos casos em atendimento individual. 

A participação dos pais é fundamental para o processo de evolução desta criança.

O tempo de tratamento, obviamente, dependerá de cada caso, considerando as necessidades de cada criança, e se os problemas são complexos e estruturais. 

Através da brincadeira, a criança aprende a resolver questões problemáticas, primeiro na fantasia, depois na realidade.